Fat bike puro sangue

Especial Interbike 2014 - Pedaleria - Fat bike da Felt
Fat bike puro sangue,

Novidades, Passeios, Review

13

Detalhes da fat bike Felt Double Double 30 (são 2 doubles mesmo)

Ahhhh a fat bike, são tantos os modelos e tamanhos, passando pelos aros 20, 24 e 26 poleadas, bikes com e sem suspensão, fabricadas em cromo molibdênio, alumínio e até fibra de carbono. Virou febre nos EUA e a gente teve que testar algumas no Outdoor Demo da Interbike 2014 em Las Vegas.

Nosso contato com a Felt aconteceu na Interbike em setembro, e a oportunidade de avaliar o modelo Double Double 30 foi no Outdoor Demo, dois dias reservados para testes e avaliações da maioria das marcas expostas na feira, tudo isso no deserto de Nevada, na cidade de Boulder a 45 minutos de Las Vegas.

Empinando fat bike Felt

Divertidas, as Fat Bikes proporcionam ótimos momentos, e é fácil fazer manobras impulsionadas pelos grande pneus.

Revista oficial da Interbike com a Pedaleria e Edu Capivara na capa

As brincadeiras com a fat bike não passaram batidas, fomos capa da principal publicação do evento.

A fat bike inicialmente lançada para transporte ou lazer em regiões geladas e com muita neve mostra que também topa terrenos secos e altas temperaturas, já que enfrentamos no Outdoor Demo uma variação entre 36º e 49º Celsius, tornando a experiência ainda intensa.

Subindo com a fat bike

No Outdoor Demo da Interbike 2014 enfrentamos pedras, cascalho, areia e espinhos com temperaturas que beiravam os 50º.

A Felt, empresa californiana cuja história remete a década de 80, tem suas bases armadas sobre o Triathlon e Road Bike, mas os modelos fora de estrada não deixam a desejar, e na mesma oportunidade testamos também o modelo All Mountain 27,5”, outra super máquina.

Edu Capivara e Pedaleria no biketrial com a Fat Bike da Felt

Como é a fat bike

Usando a tradução ao pé da letra, as bikes gordas são muito chamativas, e claro, nossos olhos caem sempre nos pneus enormes e aros furados, onde é possível sentir a câmara de ar, fato comum na modalidade Biketrial a mais de dez anos, ajudando a baixar o peso desse componente de alumínio. Para modelos mais sofisticados é possível colocar aros de carbono, reduzindo ainda mais o peso.

Fat bike em detalhes

Pneuzão e super aro da fat bike Felt

Pneus de 4 polegadas de largura (mais de 10 centímetros), com aros vazados para alívio de peso. Dá para empurrar a câmara de ar pelos furos!

Outro ponto que chama atenção é a abertura do quadro e do garfo, que recebe com boa folga os pneus 26” X 4”, equivalente a mais de 10 centímetros de largura. Os cubos e eixo central acompanham as medidas gigantes, tendo o eixo traseiro 190mm com diâmetro de 12mm, o dianteiro 150mm com eixo 15mm e o movimento central de 100mm de caixas.

Gigantesca. Fat bike.

Com proporções avantajadas, as Fat Bikes chamam atenção pela largura dos quadros e garfos.

O modelo testado foi com quadro de 18 polegadas, e ele foi equipado com avanço de 70mm (-7º) e gudião de carbono com 760mm de comprimento, oferecendo boa postura e possibilitando bom domínio em situações adversas, como valetas, erosões e pedras, que eram bastante abundantes na região.

As rodas e pneus são bem leves, mas somando tudo que aumentou de tamanho leva o modelo aos 14,1Kg, que não incomodam em nada, possibilitando até manobras de Biketrial, que acabaram custando um pneu furado. hehehehe

Os modelos em fibra de carbono são um pouco mais leves, mas nesta mesma configuração, a redução de peso não deve passar de 600Gr.

Pedra é com ela mesmo

Com um pouco de experiência é possível vencer obstáculos maiores que o vão livre da bike, como esse Play Ground de pedras, que rendeu boas passagens.

Pneu furado da fat bike

Com tanta pedra na pista, acabei transformando a fat bike numa Biketrial, e o resultado no final do dia foi literalmente uma furada.

As marchas são agradáveis e bem proporcionais a rodagem, permitindo aplicar força para ganhar velocidade e obter boa tração nas reduzidas. A relação de 20 marchas atende bem as necessidades do fora de estrada “radical”, com coroas de 38 e 24 dentes na frente, e cassete de 11 a 36 dentes na traseira, e da mesma forma como a extensão do avanço muda de um tamanho de quadro para outro, o pedivela tem 170mm no modelo S (16 polegadas), e 175mm nos modelos M e L (18,5 e 21 polegadas), mostrando que o fabricante entrega produtos bem adequados e escalonados de forma proporcional.

Cada ciclista deve calibrar os pneus de acordo com seu peso e terreno escolhido, e eles permitem rodar com maciez, dispensando uso de suspensões, reduzindo bastante o peso final da bicicleta.

Relação de marchas bem escalonada

Com 20 marchas é possível enfrentar subidas, descidas e trechos técnicos com total domínio.

Que suspensão que nada. A fat bike engole tudo.

Descidas íngremes podem ser superadas graças a tração e ao amortecimento dos pneus.

Os freios Shimano Deore com rotor de 180mm na dianteira e 160mm na traseira resolvem bem as frenagens, permitem boa modulação e também as travadas típicas do Biketrial, transformando e bike num pula-pula para sair das dificuldades encontradas nas trilhas do test drive.

Freios da fat bike Felt

Rotores de 180 e 160mm seguram bem, até mesmo nas manobras de Biketrial.

No final, a opinião da Pedaleria sobre o modelo e a modalidade foram: “Divertidas e inspiradoras”. Com uma dessas é impossível andar sério ou indiferente, ela arranca sorrisos tanto de quem pedala quanto de quem a vê em ação, diversão garantida por US$ 1.999,00 nos Estados Unidos, bem acessível para a grande maioria dos interessados e é por isso também que vimos tantas por lá.

Certamente este modelo chegará bem “salgado” por aqui, como acontece com qualquer bicicleta, uma nítida falta de apoio ao esporte, lazer e mobilidade no Brasil. Vamos torcer (e lutar) para que isso não seja verdade.

Bom Pedal!

Tags: ,

Sobre o Autor

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Comentários (13)

  1. Marco

    Show de bola Edu!
    Pena, como você disse, será o preço apresentado ao consumidor brasileiro quando elas chegaram por aqui.

    Responder
  2. Fábio

    Fala Edu, tudo bem?
    Estou querendo comprar uma bike nova para andar no geral. Passeios noturnos de grupo, trilha, ir pra reunião, enfim pra tudo. Tenho uma Ceci que pretendo usar o quadro e transformar em fixa em algum momento e tenho atualmente uma caloizinha “feijão com arroz” que uso pra tudo, mas que não dá mais pra mim. Vinha pesquisando bikes “comuns”, na faixa dos 3 a 4 mil. To muito interessado em comprar uma Fat que vi por 4mil para ser a bike pra tudo. É óbvio que não é a bike ideal pra isso, mas curti demais o estilo. No caso da trilha sussa, claro, mas fico pensando no dia a dia. Moro em SP, mas não saio todo dia e faço percursos gigantes, mas SP é um morro atrás do outro. Pergunto: Vou me arrepender pra caralho da opção ou é possível conviver com ela sem problemas nestes meios que citei ou ela é muito pesada pra rolar nesses pneus? Valeu!

    Responder
    • Edu Capivara

      Olá Fábio, tudo certo?
      Achei muito barata esse Fat Bike por 4 mil, também quero!!! rsrsrs
      Já testei as cromo, de alumínio e de carbono, e as mais leves pesam entre 11 e 12Kg, dá pra andar numa boa, e é muito divertida. Na cidade (asfalto) ela terá desgaste rápido dos pneus, precisa ver se encontra pra repor e quanto custa, não é barato! Lá fora existe vários pneus pra elas, e muitos com desenhos para asfalto.
      Boa sorte na sua busca.
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  3. Danilo

    Olá!
    Comprei uma Fat KHS 4 Season 500. Porem troquei algumas peças. Pus freio Hidraulico, e troquei o cambio. Agora quero trocar o pedivela. Sabe onde posso encontrar um integrado para Fat? O x9 está muito caro 1699,00. É a metade do valor que paguei na bike inteira.

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Danilo, ainda não existe mercado de peças para Fat Bike, é muito recente. Olhe de vez em quando no Mercado Livre, ou traga de fora mesmo, se bem que com o Dólar alto assim, pode não valer a pena!
      Boa sorte, abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  4. Edvaldo oliveira

    aproveitando a oportunidade gostaria de saber mais como e onde fazer um bom curso de mecanico de bikes, já venho acompando seus videos no youtube, e estou aprendendo muito, mas gostaria de me aprofundar mais no assunto.

    Responder
  5. Anderson

    Boa tarde Edu!

    Cara tenho muito interesse em comprar uma Fat para mim, porém achei muito caro as poucas opções que consegui localizar (Specialized e Trek) tem outras sugestões de Fatbike?

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Anderson, também estou nessa fila! Fora as que citou tem a Scott por R$16.000,00
      O melhor preço pro Brasil foi a primeira safra da Specialized, tinha a preta e a verde militar por R$9.000,00 – até 2015!
      Se pintar algo te aviso!
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  6. Massimo

    boa noite Edu , estou produzindo e importando as Fat Bike aro 26 JERÍ e aro 20 JERÍ JUNIOR convencional ,aluminio , Shimano 8 V com mega range ,valor de mercado R$ 3.600,00 e o mod MILANO aro 26 eletrica com pedelec valor R$ 6.500,00 , http://www.magiasitaliane.com.br , gostaria de uma tua opinião sobre o produto , obviamente disponivel para um test drive pra vc

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Massimo, te mandei um e-mail.
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  7. mauricio resende

    ola EDU!
    Estava interessado em comprar uma Bike Eletrica para ir ao trabalhos e lazer, até tropeçar sem querer nos monstrinhos FAT BIKE Eletrica, (putz, pirei de cara!) , ainda mais agora que estou sem carro e nao quero investir em uma moto., entao optei pela FAT, ainda mais que a ciclovia aqui entre Sao Vicente e |Santos e pela orla da praia e vai dar para fzr uma boa parte do percurso pela areia batida. Agora te pergunto: Qual a melhor opçao: E-Tank (General Wings) ou a MILLANO (Magias Italiane)??? Os dispositivos eletricos das bikes são resistentes a chuva? (abraço – qdo vc voltar na Interbike, pode convidar q vou)

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Mauricio, a General Wings é uma ótima marca, e a bike esta bem bonita, a Millano tem desenho grosseiro, parece pesadona!
      Tome cuidado com a maresia, verifique se tudo é bem selado (parte elétrica e conectores), e os raios e niplles devem ser de Inox para não ficarem feios logo.
      Você ira curtir muito esse trajeto!
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder

Deixe uma resposta para Edu Capivara Cancelar resposta