Os 5 erros mais comuns

Os 5 erros mais comuns,

Dicas, Novidades, Top 5

17

Para muitos, passa despercebido, mas para quem está acostumado a andar com tudo em ordem, certas coisas não passam tão fácil assim, e são até bem cômicas.

Garfo ao contrário
Garfo invertido

Quem nunca viu nos parques, nas ruas, ciclistas andando em suas bicicletas com o garfo virado ao contrário, com o freio virado para dentro? Esse fato geralmente ocorre quando o dono monta sua bike nova. Na caixa, para ficar mais compacta, os fabricantes embalam o conjunto desta forma, então, o feliz proprietário coloca o avanço (mesa que segura o guidão) no garfo, coloca a roda e cai na estrada!

Observe sua bike, olhando-a de lado. Reparou que os ângulos do garfo e do tubo frontal (onde vai instalado o garfo) são diferentes, jogando a roda mais para frente, com relação ao tubo frontal? Esse “avanço” é chamado de offset da bike, um deslocamento do eixo dianteiro necessário para ela ter boa dirigibilidade. Se virarmos o garfo ao contrário, teremos essa medida negativa, causando não só um aspecto estranho, parecendo que ela topou de frente e entortou o grafo, mas também perda de estabilidade, principalmente em curvas, alem da ponta dos pés bater no pneu dianteiro pela redução do “entre eixos” da bicicleta.

Selim baixo demais
Banco baixo

Por falta de atenção, por não ter a chave correta ou porque pegou a bike emprestada, andar com banco baixo ou com uma regulagem errada para sua altura é erro grave. Além do desconforto inicial, pode causar sérios problemas de joelho e coluna. Muitos passam algumas horas pedalando assim nos finais de semana, e se arrastam semana adentro sentindo fortes dores nos joelhos e articulações dos membros inferiores. Se você não pode fazer o Bike Fit (ajuste personalizado de todas as partes reguláveis de uma bicicleta, seguindo conceitos de postura e ergonomia), pelo menos regule corretamente a altura do banco. Aqui vai a dica de como saber se o ajuste está correto.

Coloque o pedal/pedivela para baixo à 90º na vertical, pise no pedal com o calcanhar e ajuste a altura do banco de maneira que sua perna fique esticada, assim, quando pisar nos pedais normalmente na hora de pedalar, sua perna apresentará uma leve curvatura, não estará completamente esticada, o que não é aconselhável. Assim você não sentirá mais dores, e terá todos os benefícios de pedalar.

Pneu descalibrado
Pneus murchos

Falta de bomba, falta de tempo pra levar no posto de gasolina, “não vi que estava assim” ou simplesmente preguiça mesmo, são as desculpas mais comuns quando apontamos um pneu murcho ou mal calibrado. Os problemas causados por este “descuido” são vários, posso elencar os principais logo abaixo.

1 – Perda de controle nas curvas, o pneu pode até sair do aro.
2 – Corte no pneu e furo na câmara se pegar um pequeno degrau ou buraco.
3 – Desgaste acentuado e irregular do pneu, pois não está apoiado no chão de forma correta.
4 – Perda de força motriz na pedalada, a pressão nos pedais associada ao pneu amassando contra o chão retarda o avanço da bike.

A calibragem correta para cada modelo está escrita nas laterais dos pneus, com pressão mínima e máxima.

Marcha errada
Marcha errada

Tirando alguns modelos de Mountain Bike atuais, que possuem uma corrente super flexível lateralmente e uma ou duas coroas no pedivela, para todas as outras, deve ser excluída a possibilidade de andar com “marchas cruzadas”, ou seja, coroa grande com pinhão grande por exemplo e vice-versa. Ao andar nesta marcha, o câmbio irá trabalhar fora de posição ideal, muito tensionado, além do desgaste prematuro do conjunto de transmissão (corrente, coroas e pinhões), podendo na pior das hipóteses, acontecer a queda frequente ou quebra da corrente, ou ainda da gancharia (aí o bicho pega mesmo!).

Capacete ao contrário
Capacete invertido

Para finalizar, o campeão dos erros, o capacete invertido na cabeça! Ninguém aguenta, tem que rir mesmo. Fica muito bizarro, e não encaixa corretamente, fica totalmente vulnerável em caso de tombo, provavelmente nesse caso o capacete sai voando da cabeça. Os capacetes devem ficar bem encaixados e ajustados utilizando para isso as correias laterais, onde as pequenas fivelas devem ser posicionadas logo abaixo das orelhas, e devem prender nas orelhas quando tentarmos removê-lo sem abrir a fivela.

Não se preocupe com o logotipo da marca do seu capacete, muita gente pensa que ele foi instalado ao contrário, o que não é verdade. O mais importante é identificar qual é a parte da frente e qual é a de trás dele. Simples, o ajuste de nuca, aquele que geralmente é uma rodinha que aperta ou afrouxa o capacete e que faz um “crec-crec” quando gira, deve ficar para trás, na nuca mesmo. Em caso de dúvidas, consulte o manual do fabricante. ;)

Esse ajuste de fechamento na nuca é extremamente importante, seja com disco giratório, ajustes deslizastes ou outro sistema, ele serve para acertar o fechamento em volta da cabeça (perímetro craniano). Lembre-se, o capacete deve parar na sua cabeça graças a esses dois ajustes (correias e fivelas laterais + ajuste na nuca). A fivela inferior (abaixo do queixo) evita que ele saia da cabeça em um grande tombo.

Em breve a gente vai lançar o vídeo que ajuda o ciclista a escolher o capacete mais adequado, com dicas úteis de utilização e manutenção desse equipamento que pode salvar a sua vida .

Repare bem nestas cinco dicas e se você se deparar com alguém nessas situações, ajude e diga que aprendeu na Pedaleria. ;)

Grande abraço.

Sobre o Autor

Fernando Campoi, introdutor do Monotrial no Brasil na década de 90. Para os desavisados, o Monotrial é como o Biketrial só que usando um monociclo e não uma bike. Participou de shows, provas, eventos e programas de televisão com o Edu Capivara. É formado em Administração e tem MBA pela FGV. Louco de pedra? Nem tanto.

Comentários (17)

    • Fernando Campoi

      Olá João! Valeu. Se as dicas foram úteis, compartilhe, estamos aqui pra ajudar a galera. Continue acompanhando nosso trabalho. Abraço

      Responder
  1. otni

    Olá porque o carrinho entorta isso tem alguma coisa a ver com empinar a bike

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Otni, ainda não vi esse problema, o seu entortou?
      Você é muito pesado ou usa canote muito alto?
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  2. helter

    Olá, meu canote do selim entortou seria porque eu uso ele muito alto.
    Minha bike e baixa e para ficar na posição certa eu deixo ele bem alto.

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Helter, o tamanho do seu quadro pode estar errado, você precisa de canote mais forte e um quadro maior, para que não tenha que levantar tanto assim o canote de selim.
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  3. Luiz Carlos

    Ola Parceiros do pedaleria!!!
    Gostaria de saber se vocês possuem um grupo de passeios, algo como o sampa biker´s. Caso não, fica ai a ideia!
    Penso que seria muito bacana formar um grupo e realizar passeios de bike em SP e quam sabe talvez, ate em outras cidades, todos vestindo o uniforme da pedaleria.
    eu seria o primeiro!!!…haha
    Super fã de vocês! continuem o trabalho maravilhoso!
    Sucesso!!!

    Luiz C. Arêdes Jr.

    Responder
    • Edu Capivara

      Valeu Luiz, estamos pensando nisso, se rolar a gente anuncia no Facebook da Pedaleria ok?
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  4. marlucia lima

    eu comprei uma bicicleta usada e quando eu fui andar o pé bate no pneu o que será que está de erradp?

    Responder
  5. jeronimo guimaraes

    ola Edu tenho visto todos seus Videos parabéns todos muito instrutivos para quem gosta de pedalar. , comprei uma bicicleta rocopper expert da specialized pois esta bicicleta dez que comprei deparei me com vários problemas ,o agente autorizado da marca me colocou um sepo sem ser da marca que me danificou precocemente toda a transmissão da bicicleta levei a bicicleta a outro agente autorizado e expôs a situação há marca a marca mandou substituir algumas peças o que certo a que a bicicleta nunca ficou em condições e eles dizem que não há mais nada a fazer a corrente quando esta no prato pequeno da frente encosta no prato grande ao pedalar a corrente sai fora de vez em quando ao pedalar para trás e eles dizem que e normal será que me pode dar uma dica para o que devo fazer ? esta bicicleta tem 1000 quilómetros 7 meses de uso será que a marca tem o dever de trocar a bicicleta por uma nova? obrigado Edu e tudo de bom grande abraço daqui do norte de portugal

    com os melhores cumprimentos

    Jerónimo Guimarães

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Jerônimo, tudo certo?
      Olha amigo, não sei ou que é SEPO, podes me ajudar trocando essa palavra?
      Um grande a todos os portugueses!
      Edu Capivara

      Responder
  6. Samuel

    Olá
    Tenho uma Caloi elite 20 tamanho do quadro 17, tenho 1,72 alt.
    Estou sentindo que a bike não tem muita estabilidade
    Todas as peças são originais.
    Tem alguma dica, Abraço e obrigado

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Samuel, descreva melhor essa falta de estabilidade para que possamos entender melhor em que situação isso ocorre.
      Se puder, experimente outros tipos de pneus, mais adequados aos terrenos que pedala.
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder
  7. Thales Barbosa

    Olá Edu, comprei um selim porém acho que ele está recuado no sentido da roda traseira,queria aproximá-lo um pouco mais no sentido do guidão mas já o posicionei o máximo pra frente possível mas ainda não está 100%, gostaria de saber se da certo rotacionar o canote 180° de forma que o carrinho fique virado para a frente da bike assim eu “ganharia” alguns milímetros a frente (não sei quanto pois ainda não fiz o teste) podendo chegar o selim mais a frente, você acha que isso poderia dar certo? Forte abraço e obrigado pelas excelentes dicas do canal.

    Responder
    • Edu Capivara

      Oi Thales, poder por, mas esteticamente pode ficar estranho. Como o ângulo do canote com relação a parte de trás do carrinho ficará invertido, é preciso verificar se o selim ficará no ângulo certo (paralelo ao chão).
      Se der certo você ganha centímetros, não milímetros, rsrsrsrs.
      Abraços;
      Edu Capivara

      Responder

Deixe uma resposta